Perdidos no tempo e no espaço: um estudo do perfil, da perspectiva de tempo e da importância das relações familiares de andarilhos em comparação a moradores

Umbelina do Rego Leite, Valéria Cristina de Sousa Freitas Alves

Resumo


Andarilhos são pessoas que vivem na estrada, não tem moradia própria, vivem isolados do mundo, da sociedade e da família. Este estudo teve como obje- tivo investigar a história de vida, a valoração das re- lações da dinâmica familiar e a perspectiva de tempo de andarilhos, comparando com um grupo de mora- dores. Os participantes do estudo foram dez anda- rilhos, nove homens e uma mulher, que transitavam na rodovia nas imediações da cidade de Aparecida do Rio Doce – Goiás e um grupo para comparação, composto por dez moradores da mesma cidade. O instrumento continha: o Inventário de Perspectiva Temporal do Zimbardo – ZTPI (LEITE; PASQUALI, 2008) e questões sobre as relações familiares, his- tória pessoal e social, dados sociodemográficos e história de errância. Encontrou-se como fator desen- cadeante da errância, a ruptura com a família, se- guida de fatores socioeconômicos. O perfil da pers- pectiva de tempo dos andarilhos é diferente da dos moradores, e mostra que esses têm escores mais baixos em todos os fatores do ZPTI com exceção do presente-fatalista, ressaltando a diferença estatisti- camente significativa no passado-positivo. Também, os andarilhos acreditam que não seja importante para a harmonia familiar ter uma situação econômi- ca boa e esperam no futuro voltar à vida sedentária ou receber uma estrutura de assistência para seu estilo de vida. 


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C. L. DE O.; SILVA, M. S.; JEREMIAS, S. S., SANTOS, V. L. Para um perfil do idoso-andari- lho. Revista Kairós Gerontologia, v. 14, n. 2, p. 175-185, 2011.

BALLONE G. J. Alterações da Atividade Voluntária. Em PsiqWeb, Internet, disponível em www.psi- qweb.med.br, revisto em 2005.

BRASIL, Política Nacional para Inclusão Social da População em Situação de Rua, 2008, Disponí- vel em: http://www.mds.gov.br/backup/arquivos/versao_da_pnpr_para_consulta_publica.pdf, Acesso em: Novembro, 2014.

BONIWELL, I., ZIMBARDO, P. (2003). Time to find the right balance. The Psychologist, v. 16, pp. 129- 131.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário (I. D. Poletti, Trad.). Petrópo- lis, RJ: Vozes, 1998.

CATON,C. L., et al.. Risk factors for homelessness among women with schizophrenia. American Jour- nal of Public Health, v. 85, n. 8, pp. 1153-1156, 1995. Disponível em: http://ajph.aphapublications.org/cgi/ content/abstract/85/8_Pt_1/1153 Acesso em: 20 out. 2010

CRESWELL, J. W. Research design: Qualitative, quantitative and mixed method approaches. Thou- sand Oaks: SAGE Publications, 2003.

DITTMANN-KOHLI, F.; WESTERHOF, G. J. The SELE sentence completion questionnaire: A new ins- trument for the assessment of personal meaning in research on aging. Anuario de Psicologia, 1997, v. 73, pp. 7–18.

ENRIQUE, J.; HOWK, H.; HUITT, W. (2007). An overview of family development. Educational Psycho- logy Interactive. Valdosta, GA: Valdosta State University. Disponível em: http://www.edpsycinteractive.org/ papers/family.pdf Acesso em: 20 jan. 2014

EPEL, E. S., BANDURA, A., ZIMBARDO, P. G. Escaping homelessness: The influence of self-efficacy and time perspective on coping with homelessness. Journal of Applied Social Psychology, v. 29, pp. 575- 596, 1999.

FIEULAINE, N.; APOSTOLIDIS, T. Precariousness as a time horizon: how poverty and social insecu- rity shape individuals time perspectives. In: M. Stolarski et al. (eds.), Time Perspective Theory, Review, Research and Application: Essays in Honor of Philip G. Zimbardo, Switzerland: Springer International Publishing, p. 213-228, 2015.

FORMIGA, N. S. Um estudo intracultural dos indicadores da relação familiar. Psic: Revista da Vetor Editora, São Paulo v. 5, n. 1, 2004.

FORMIGA, N. S., SILVA, N. L. SILVA-NETA, A. B. Escala sobre a dinâmica interna da família: sua vali- dade fatorial a partir da modelagem de equação estrutural. Psicologia.com.pt, 2008.

FRANÇA, A. A. (2007). Trechos de vidas errantes no tempo e no espaço do movimento: estudo com andarilhos de estrada. Dissertação apresentada à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo - Departamento de Psicologia e Educação. Ribeirão Preto - São Paulo.

HACKING, I. Mad travelers: reflections on the reality of transient mental illnesses, New York: Harvard University Press, 2002.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Censo Demográfico 2010 - Resultados do univer- so. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.b, Acesso em: 20 dez. 2012.

JULIÃO, A. Vidas errantes. Unesp Ciência. setembro de 2013. Disponível em: http://www.unesp.br/ aci_ses/revista_unespciencia/acervo/45/estudo-de-campo. Acesso em: 20 dez. 2014.

JUSTO, J. S. Andarilhos e trecheiros – Errância e nomadismo na contemporaneidade Maringá: Eduem, 2011.

JUSTO, J. S. Errância e errantes: um estudo sobre os andarilhos de estrada. Em: J. S. Justo & R. Y. Sagawa (Orgs.) Rumos do saber psicológico (p. 125-139). São Paulo, SP: Arte & Ciência,1998.

JUSTO, J. S., NASCIMENTO, E. C. Errância e delírio em andarilhos de estrada. Psicologia: Reflexão e Crítica,v.18, n.2, pp. 177-187, 2005.

JUSTO, J. S., NASCIMENTO, E. C. Road wanderers in Brazil: A study on modern psychosocial human mobility. International Journal of Sociology and Anthropology, v. 4, n. 5, p. 165-171, 2012.

JUSTO, J. S.; ROCHA, L. C. Dromologia e trabalho na contemporaneidade: o caso dos andarilhos. São Paulo: Departamento de Psicologia Evolutiva, Social e Escolar. Assis, SP: Unesp. 2005. Disponível em: http://www2.assis.unesp.br/encontrosdepsicologia/ ANAIS_DO_XIX_ENCONTRO/143_JOSE_STERZA_ JUSTO.pdf Acesso em: 12 dez. 2013

LEITE, U. R. Perspectiva de tempo: teoria, medida e impacto no estresse. Tese (Doutorado em Psicologia). Programa de Pós-Graduação de Psicologia Social das Organizações e do Trabalho – PSTO - Universidade de Brasília, UnB, Brasília, 2014. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstre- am/10482/17149/1/2014_UmbelinadoRegoLeite.pdf Acesso em: 20 dez. 2014

LEITE, U. R., PASQUALI, L. Estudo de validação do Inventário de Perspectiva de Tempo do Zimbardo. Avaliação Psicológica, v. 7, n. 3, p. 301-320, 2008.

LENNINGS, C. J. Self-efficacy and temporal orientation as predictors of treatment outcome in severely dependent alcoholics. Alcoholism Treatment Quarterly, v 14, n. 4, 71-79, 1996.

LEWIN, K. Time Perspective and Morale. In: G. W. Lewin (Ed) Resolving social conflicts, selected pa- pers on group dynamics.1935-1946. New York: Harper , (pp. 103-124), 1942.

MDS - MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Relatório do I Encontro Nacional sobre População em Situação de Rua. Secretaria Nacional de Assistência Social. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Novembro de 2006. http://www.mds.gov.br/biblioteca

NASCIMENTO, E. C.; JUSTO, J. S. FRANCA, S. A. M. Errância e normalização social: um estudo so- bre andarilhos de estrada Psicologia em Estudo, Maringá, v.14, n.4, pp. 641-648, 2009.

NASCIMENTO, E. C.; JUSTO, J. S., Vidas errantes e alcoolismo: uma questão social. Psicologia: Re- flexão e Crítica, v. 13, n.3, pp. 529-538, 2000,

PERES, R. S. Andarilhos de estrada: estudo das motivações e da vivência das injunções característi- cas da errância. Psico-USF v. 6, n. 1, p., 67-75. 2001.

PERES, R. S. JUSTO, J. S. Contribuições das técnicas projetivas gráficas para a compreensão da personalidade de andarilhos de estrada. Estudos de Psicologia (Natal), v.10, n.2, pp. 305-312, 2005.

PERES, R. S. O Desenho da Figura Humana de Machover aplicado em andarilhos de estrada1. Psi- cologia: Teoria e Prática, 2002a, v. 4, n.1, p. 81- 92.

PERES, R. S. Tão longe, tão perto: andarilhos de estrada e a vivência do distanciamento familiar. PSIC - Revista de Psicologia da Vetor Editora, 2002b, v. 3, n.2, p. 6-13

PETRY, N. M., BICKEL, W. K., ARNETT, M. Shortened time horizons and insensitivity to future conse- quences in heroin addicts. Addiction, 93(5), 729, 1998.

PLUCK, G., et al Time perspective, depression, and substance misuse among the homeless. The Jour- nal of Psychology, 2008, v. 159, n. 10. Acesso em: 25/10/2010. Disponível em: legroup.com.proxy.library. vanderbilt.edu/itx/start.do?prodId=ITOF>.

REDANTE, D.; et al. Cuidando o idoso e a família. Família, Saúde e Desenvolvimento, v. 7, n. 2, p. 158-63, 2005.

TAVARES, E. C. Roteiro Básico para Elaboração do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Disponível em: http://www.fumec.br/anexos/pesquisa/roteiro_basico_TCLE.pdf

VAN ITTERSUM, K. The effect of decision makers’ time perspective on intention–behavior consistency. Mark Lett, 2012, v. 23, p. 263–277.

ZIMBARDO, P. G., BOYD, J. N. O paradoxo do tempo: A nova psicologia do tempo que mudará sua vida. Adriano S. Trad. Fontanar: São Paulo, 2009.

ZIMBARDO, P. G., BOYD, J. N. Putting time in perspective: A valid, reliable individual-differences me- tric. Journal of Personality and Social Psychology, v 77, 1271-1288, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.