A escrita ou a vida? A literatura do holocausto e sua utilização em História

Makchwell Coimbra Narcizo

Resumo


O presente trabalho visa ser uma reflexão acerca da utilização de narrativas literárias de ex prisio- neiros de Campos Nazistas. Buscando ressaltar as peculiaridades de tais narrativas, assim como as dificuldades em sua utilização em História. Para tal, serão abordados: Elie Wiesel, Primo Levi e Jorge Semprún, importantes autores que utilizam suas lembranças, cada um de maneira diferente em suas obras. 


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O Que Resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. (Homo Sacer III). São Paulo: Boitempo, 2008.

ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia. Porto Alegre: PiPM, 2004.

BAKHTIN, Mikhail. O todo semântico da personagem. In: Estética da criação verbal. São Paulo, Martins Fontes, 2003. P. 127-171.

BRAUN, Robert. The Holocaust and Problems of Historical Representantion. In: History and Theory: Stu- dies in the Philosophy of History, Middletown: Wesleyan University, XXXIII – N 2, 1994. P. 172 – 197.

BROWNING, Christopher R. German Memory, Judicial Interrogation, and Historical Reconstruction: Wri- ting Perpetrator History from Postwar Testimony. In: FRIEDLANDER, Saul (Org.). Probing the Limits of Representation: Nazism and the “Final Solution”. Cambridge; London: Harvard University, 1992. P. 22-36.

CELAN, Paul. Poemas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1977.

FAURISSON, Robert. (1986) Elie Wiesel: uma notável testemunha falsa. Disponível em: www.radioisalm. org/isalm/portugues/revision/ElieWiesel.htm. Acesso: 24 jan. 2009.

FINKELSTEIN, Norman G. A Indústria do Holocausto: Reflexões sobre a exploração do sofrimento dos judeus. Rio de Janeiro/São Paulo, Record, 2006. 5. Ed.

FRIEDLANDER, Saul (Org.). Probing the Limits of Representation: Nazism and the “Final Solution”. Cam- bridge; London: Harvard University, 1992.

FUNKENSTEIN, Amos. History, Counterhistory, and Narrative. In: FRIEDLANDER, Saul (Org.). Probing the Limits of Representation: Nazism and the “Final Solution”. Cambridge; London: Harvard University, 1992. P. 66-81.

GINZBURG, Carlo. Just One Witness. In: FRIEDLANDER, Saul (Org.). Probing the Limits of Representa- tion: Nazism and the “Final Solution”. Cambridge; London: Harvard University, 1992. P. 82-96.

HAIDU, Peter. The Dialectics of Unspeakability: Language, Silence, and the Narratives of Desubjectifica- tion. In: FRIEDLANDER, Saul (Org.). Probing the Limits of Representation: Nazism and the “Final Solu- tion”. Cambridge; London: Harvard University, 1992. P. 277-299.

KELLNER, Hans. “Never Again” is Now. History and Theory: Studies in the Philosophy of History, Middle- town: Wesleyan University, XXXIII – N 2, 1994. P. 121- 144.

KRAUSE-VILMAR. Díetfrid. A Negação Dos Assassinatos em Massa do Nacional-socialismo: desafios para a ciência e para a educação. In: Neonazismo, negacionismo e extremismo político. Porto Alegre: Ediufrgs, 2000.

LACAPRA, Dominick. Representing the Holocaust: Reflections on the Historians Debate. In: FRIEDLAN- DER, Saul (Org.). Probing the Limits of Representation: Nazism and the “Final Solution”. Cambridge; London: Harvard University, 1992. P. 108 - 127.

LANG, Berel. The Representation of Limits. In: FRIEDLANDER, Saul (Org.). Probing the Limits of Repre- sentation: Nazism and the “Final Solution”. Cambridge; London: Harvard University, 1992. P. 300-318.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico, O pacto autobiográfico (BIS), O pacto autobiográfico, 25 anos depois. In: O pacto autobiográfico: de Rousseau a internet. BH: UFMG, 2008.

LEVI, Primo. É Isto Um Homem? Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

__________. Os Afogados e os Sobreviventes: os delitos, os castigos as penas e as impunidades. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004, 2. Ed.

__________. O último Natal de Guerra. São Paulo: Berlendis i Vertecchia, 2002.

MILMAN, Luis. Negacionismo: gênese e desenvolvimento do genocídio conceitual. In: Neonazismo, ne- gacionismo e extremismo político. Porto Alegre: Ediufrgs, 2000.

MILMAN, Luis / VIZENTINI, Paulo F. Neonazismo, negacionismo e extremismo político. Porto Alegre: Ediufrgs, 2000.

MOLTMANN, Jürgen. Quem é Jesus Para Nós Hoje? Petrópolis: Vozes, 1997.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989. P. 3-15.

RANCIÈRE, Jacques. A Partilha do Sensível: estética e política. São Paulo: Ed. 34, 2005.

__________________. Políticas da Escrita. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

REGERT, Vera S. Em Defesa da Herança de Auschwitz: Releitura da história do holocausto por meio da escritura autobiográfica das vítimas. 2007. 121 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade de Santa Cruz do Sul. Santa Cruz do Sul, 2007.

ROSEMAN, Mark. Memória Sobrevivente: verdade e inexatidão nos depoimentos sobre o Holocausto. In: ALBERTI Verena/ FERNANDES, Tania/ FERREIRA Marieta (Orgs.). História Oral: Desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Fiocruz / Casa de Oswaldo Cruz / CPDOC, 2000. P. 123-134.

SEMPRÚN, Jorge. A Escrita ou a Vida. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

_______________.Entrevista para Letras Livres. In: http://www.letraslibres.com/index.php?art=9057em. Acesso em 12 Jul. 2010.

WEINRICH, Harald. Lete: Arte e Crítica do Esquecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

WIESEL, Elie. A Noite. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

___________. Holocausto: o canto de uma geração perdida. Rio de Janeiro: Documentário, 1978. ___________. Nunca Mais? A ameaça do anti-semitismo. Rio de janeiro: Documentário, 1978.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.